NOTÍCIAS
_______________________________________________________________________________

PortoCartoon no Aeroporto: para ver e votar
Está patente no Aeroporto Francisco Sá Carneiro uma extensão da 19.ª edição do PortoCartoon-World Festival, dedicado ao tema “O Turismo“. A exposição apresenta, na área pública de chegadas, mais de 40 desenhos, designadamente os Premiados, Menções Honrosas e finalistas do PortoCartoon 2017.

O Aeroporto do Porto foi considerado, em março, o Melhor da Europa pelo Airports Council Internacional e, em abril, o terceiro melhor do Mundo, segundo um inquérito da Deco. O PortoCartoon é considerado um dos três mais importantes certames de humor gráfico a nível mundial. Aliar um espaço que recebeu mais de cinco milhões de passageiros em voos comerciais, nos primeiros seis meses deste ano, localizado na cidade eleita Melhor Destino Europeu de 2017, a um festival de humor com impacto mundial, não podia fazer mais sentido.

Os trabalhos expostos no átrio das chegadas foram selecionados pelo Júri Internacional entre as cerca de 1500 obras recebidas, de mais de 400 artistas, oriundas de 62 países distintos. Brasil, Irão, Roménia e Portugal foram os países com maior participação.

A elevada qualidade dos trabalhos levou o júri internacional a atribuir 28 Menções Honrosas integradas na exposição e que pertencem a artistas de diferentes países: Bélgica (1), Brasil (4), China (1), Espanha (2), Egito (1), EUA (1), Irão (1), Itália (2), Polónia (2), Portugal (7), Rússia (1), Sérvia (1), Turquia (2), Ucrânia (1) e Índia (1).

O artista belga Luc Vernimmen, vencedor do Grande Prémio da 19.ª edição, e Angel Boligan, do México, vencedor do 3º Prémio, participaram em toda a programação do PortoCartoon 2017, que decorreu de 21 a 25 de junho.

No local da exposição, os visitantes podem também votar no seu cartoon preferido, utilizando para o efeito os boletins de voto e a urna ali presentes. Há ainda uma urna no Museu Nacional da Imprensa e a opção de efetuar a votação online, no Museu Virtual do Cartoon. O artista cujo trabalho obtenha o maior número de votos será o vencedor do Prémio Público e terá uma exposição antológica no PortoCartoon 2018. A votação decorre até 31 de dezembro.

A mostra principal do certame de humor está patente no Museu Nacional da Imprensa, onde podem ser apreciados cerca de 520 desenhos e esculturas. As exposições dos Prémios Especiais de Caricatura subordinados a Pablo Picasso e António Guterres podem, também, ser visitadas no MNI.

Neste momento há exposições PortoCartoon no Aeroporto, Funicular dos Guindais (Porto), Casa Branca de Gramido (Gondomar), ISMAI, Shopping Cidade do Porto, Via Catarina, Café Velasquez, Estação Ferroviária de Braga e Palácio de D. Manuel (Évora). Na Rua do PortoCartoon (Rua Miguel Bombarda) também podem ser vistos alguns desenhos até setembro.

A exposição no Aeroporto ficará patente até ao final do ano.

Siza no Cartoon Internacional em Évora

Cartoon de Ivan Prado (Alemanha)

Cerca de 50 cartoons integram a exposição “Siza Vieira no Cartoon Internacional”, para ver até ao final do mês de julho, na Galeria do Palácio de D. Manuel, em Évora.

Os desenhos foram elaborados por vários caricaturistas, de diferentes países, no âmbito do XIV PortoCartoon-World Festival.

Trata-se de uma seleção feita pelo Júri Internacional presidido por George Wolinski, célebre desenhador francês do Paris Match e Charlie Hebdo.

Os Prémios Especiais de Caricatura iniciaram-se em 2013, no âmbito do PortoCartoon, e foram subordinados a Manoel de Oliveira e José Saramago.

Na edição de 2014, convidámos os artistas a trabalharem sobre Nelson Mandela, além de Siza Vieira. Em 2015 foi a vez de Cristiano Ronaldo e Ernest Hemingway serem caricaturados. Seguiram-se Sara Sampaio e Charlie Chaplin. Este ano os cartoonistas foram desafiados a mostrar a sua visão sobre António Guterres e Pablo Picasso.

Cartoon  de Santiagu (Portugal)

Cartoon de Alireza Pakdel (Irão)

Prémio Público: o Mundo decide

A votação para eleger o Prémio Público do PortoCartoon 2017, subordinado ao tema “Turismo”, encontra-se, oficialmente, aberta no Museu Virtual do Cartoon e no Museu Nacional da Imprensa (urna).

Qualquer pessoa, de qualquer parte do mudo, pode votar no seu cartoon favorito entre os 43 selecionados pelo Júri internacional do 19th PortoCartoon-World Festival, em março.

A votação é independente da decisão do Júri, que elegeu Luc Vernimmen, da Bélgica, como grande vencedor do PortoCartoon 2017, com a obra “Sustainable Tourism”. A opinião do Júri e do Público coincidiu apenas uma vez, em 2015, com o desenho vencedor de Alessandro Gatto (Itália), “Window”, sobre o tema da 17.ª edição, “A LUZ”.

Nesta categoria já foram também contemplados, desde 2006, Diego Herrera – Yayo (Canadá), Fernando Camarneiro Costa (Portugal), António Santos – Santiagu (Portugal), Zygmunt Zaradkiewicz (Polónia), Guo Zhong (China), Ludo Goderis (Bélgica), Ronaldo Cunha Dias (Brasil – duas vezes), e Emrah Arikan (Turquia). Emrah, vencedor de 2016, tem a sua exposição antológica patente no Shopping Cidade do Porto até 6 de agosto.

 

Os cartoons em disputa são provenientes de países tão diferentes como Bélgica, Bielorrússia, Brasil, Bulgária, China, Espanha, E.U.A., França, Indonésia, Irão, Itália, México, Polónia, Roménia, Sérvia, Turquia e Ucrânia. De Portugal, estão em votação os trabalhos dos cartoonistas Aurélio Mesquita, Duarte Guerreiro, Fernando Saraiva e Vasco Gargalo.

O vencedor do Prémio Público 2017 será convidado a apresentar uma exposição individual no PortoCartoon 2018.

O público poderá votar até ao dia 31 de dezembro na sua obra de eleição, através da internet ou na urna física disponível no MNI.

Humor Turco no Shopping Cidade do Porto
PortoCartoon 2017

Depois de quatro dias repletos de atividades (21 a 25 junho), o PortoCartoon alarga a sua programação para o espaço público, com a exposição Humor Turco, no Shopping Cidade do Porto, a partir de 4 de julho.

Trata-se da mostra antológica do artista Emrah Arikan, vencedor do Prémio Público 2016, com a obra “No war”. O Prémio Público do PortoCartoon resulta de uma votação a nível mundial, feita através do Museu Virtual do Cartoon e em urnas de voto colocadas em diversos locais, de junho a dezembro.

Emrah é o primeiro artista oriundo da Turquia a vencer esta categoria e esteve no Porto há poucos dias na inauguração do PortoCartoon 2017.

Nesta categoria já foram contemplados artistas como o Alessandro Gatto (Itália), Diego Herrera – Yayo (Canadá), Fernando Camarneiro Costa (Portugal), António Santos – Santiagu (Portugal), Zygmunt Zaradkiewicz (Polónia), Guo Zhong (China), Ludo Goderis (Bélgica) e Ronaldo Cunha Dias (Brasil), que venceu duas vezes.

A exposição de Emrah Arikan apresenta trabalhos fortes e incisivos sobre problemas da atualidade, como a liberdade de expressão, o drama dos imigrantes, a discriminação, a dependência tecnológica e imposições culturais como o ‘noivado infantil’.

A mostra estará patente no Shopping Cidade do Porto até ao dia 6 de agosto.

A montagem de exposições em espaços públicos é uma das particularidades do Museu Nacional da Imprensa. Estas ações inserem-se numa perspetiva de descentralização cultural seguida pelo MNI, desde a abertura em 1997, e pretende espalhar a cultura e o humor por diferentes cidades. Neste momento, além das mostras no Museu, há exposições do PortoCartoon em Évora, Gondomar e Braga. A partir do mês de julho, vários locais do Porto – além do Aeroporto e do ISMAI – vão acolher extensões do PortoCartoon 2017.

Jovens conquistam a III Maratona Poética

Mais de duas dezenas de pessoas, de diferentes idades, participaram na III Maratona Poética do Porto, realizada no passado domingo (21/05) no Museu Nacional da Imprensa.

Mais de 60 poemas foram lidos, ao longo de 3 horas, neste concurso que visa revelar novos talentos. E eles apareceram.

João Pedro Pereira, de 10 anos, foi o grande vencedor da 3.ª Maratona Poética do Porto, que teve como prémio principal um fim de semana, no Grande Hotel das Caldas da Felgueira (Viseu), para duas pessoas.

O segundo lugar foi atribuído a Sérgio Godinho, um jovem de 23 anos, e o terceiro a Maria Eduarda Oliveira, de 11 anos. Ao segundo lugar coube um cruzeiro às pontes do Douro, oferecido pela Douro Acima, e um jantar para duas pessoas no Chez Lapin. A terceira contemplada foi premiada com um cruzeiro Douro Acima. Todos os premiados receberam, ainda, uma garrafa de vinho do Porto e um copo do Instituto de Vinho do Porto (IVDP) e publicações do MNI.

O Júri decidiu, ainda, atribuir cinco Menções Honrosas a António Domingos, Carlos Manuel Revez, Eduardo Roseira, Maria Antónia Ribeiro e Maria de Fátima Candeias, premiados com garrafas de vinho do Porto Sandeman e publicações do MNI.

O Júri da 3.ª edição foi constituído por um trio de atores: Emília Silvestre, Jorge Mota e Jorge Pinto.

Esta iniciativa do Museu Nacional da Imprensa repete-se no próximo ano, inserido na celebração do Dia Mundial da Poesia.

Este campo da literatura tem sido um dos eixos da atividade do museu que, também anualmente, promove o Concurso de Textos de Amor Manuel António Pina.

Diretor do Museu apresenta livro “Quando Portugal Ardeu”, de Miguel Carvalho
Este sábado à tarde (20/05, 15h30), no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Santo Tirso, o Diretor do Museu apresenta o livro “Quando Portugal Ardeu”, do jornalista Miguel de Carvalho, grande repórter da Visão.
III Maratona Poética do Porto
O Museu Nacional da Imprensa vai assinalar as celebrações do Dia Internacional dos Museus, no dia 21 de maio, com a organização da 3ª edição da “Maratona Poética do Porto”, destinada a premiar o melhor dizedor de poesia.

Nesta iniciativa, que decorrerá das 14h30 às 19h, na sede do MNI, podem participar crianças, jovens e adultos, mediante inscrição prévia disponível no nosso sítio oficial. Aí poderão também consultar o Regulamento.

O melhor dizedor ou declamador será proclamado Vencedor da Maratona Poética do Porto e será premiado com um fim-de-semana para duas pessoas.

IIIMaratonaPoeticaDoPorto_CartazA4-1
“25 de abril” até maio
“Livros Proibidos” em Valongo e
“Cartazes de abril” em Pedrógão

Duas exposições alusivas ao 25 de abril de 1974 estão patentes até ao final de maio, no Fórum Cultural de Ermesinde, Valongo, e na Casa Municipal da Cultura, em Pedrógão Grande.

LivrosProibidos_Valongo2017_4No Fórum de Ermesinde pode visitar-se a exposição “Livros Proibidos na Ditadura de Salazar”, que apresenta, além dos livros, vários autos de apreensão feitos em livrarias de Portugal continental e das ex-colónias, como Timor, Moçambique e Angola.

Mário Soares, Manuel Alegre, António José Saraiva, José Cardoso Pires, Raul Rego, Jorge de Sena, Egas Moniz, José Afonso, Ary dos Santos, Fidel Castro, Sartre, Marx, Lenine e Darwin são só alguns dos autores cujos livros foram apreendidos e estão patentes na exposição.

“25 de abril em Cartaz” é uma mostra que apresenta uma seleção das centenas de cartazes que o Museu Nacional da Imprensa possui sobre o Movimento dos Capitães de abril. “A poesia está na rua”, de Vieira da Silva, e “O Povo e o MFA”, de João Abel Manta, são dois dos ícones gráficos expostos, que podem ser vistos na Casa da Cultura do Município de Pedrógão Grande.

Ambas as exposições inserem-se nas celebrações do 25 de abril de 1974 e estarão patentes até ao final do mês de maio.

25AbrilEmCartaz_PedrogaoGrande_3

Evocar o ‘25 de abril’ com ‘livros proibidos’
Exposição Museu da Imprensa em Valongo

LivrosProibidos_Valongo2017_1

Uma exposição com dezenas de “Livros Proibidos na Ditadura de Salazar” abre no dia 25 de abril (3ªfeira), às 15h30, no Fórum Cultural de Ermesinde, Valongo. Evocando o aparelho censório da ditadura de Salazar e Caetano, a mostra evidencia a importância do golpe militar do “25 de abril “ de 1974 .

Esta iniciativa do Museu Nacional da Imprensa é promovida pela Câmara Municipal de Valongo e apresenta, além dos livros, vários autos de apreensão feitos em livrarias de Portugal continental e das ex-colónias, como Timor, Moçambique e Angola.

Mário Soares, Manuel Alegre, António José Saraiva, José Cardoso Pires, Raul Rego, Jorge de Sena, Egas Moniz, José Afonso, Ary dos Santos, Fidel Castro, Sartre, Marx, Lenine e Darwin são só alguns dos autores cujos livros foram apreendidos e estão patentes na exposição.

 

 

O anúncio da morte do escritor Alves Redol n’O Primeiro de Janeiro, um texto de José Saramago no Jornal do Fundão, a entrevista a Aquilino Ribeiro no Jornal de Notícias, foram alguns dos artigos cortados na época e que também podem ser vistos no Fórum de Ermesinde.

Um dos documentos patentes na exposição mostra que em 1965 foram apreendidos em Angola, na Livraria Lello, vários exemplares do livro “Gabriela Cravo e Canela”, de Jorge Amado, cuja telenovela haveria de “parar” o país após o ’25 de abril’. Tudo o que se referisse a sexualidade, revolução, sindicalismo, liberdade, feminismo, estava sob a alçada repressiva da Comissão de Censura.

A exposição pretende mostrar ao público em geral a máquina destruidora do pensamento e da literatura que vigorou em Portugal durante a “ditadura de Salazar e Marcelo Caetano”.

Mais do que documentar os anos em que predominou a Censura, esta exposição visa chamar a atenção de todos para a importância da liberdade, reconquistada no 25 de abril de 1974.

A mostra ficará patente até ao dia 25 de maio, no Fórum Cultural de Ermesinde.

MarioSoares

PortoCartoon/Cristiano Ronaldo no “Estado de S. Paulo”
Estado S. Paulo

O grande jornal brasileiro “Estado de S. Paulo” dá relevo à exposição do PortoCartoon “Ronaldo em Caricatura”, patente no Aeroporto da Madeira – Cristiano Ronaldo.

A mostra é constituída por mais de 30 caricaturas do jogador, contando ainda com uma exposição virtual sobre CR7 e um rama tipográfica com composição manual. A somar a tudo isto, pode ler-se um poema alusivo à temática do futebol, da autoria do escritor brasileiro Ferreira Gullar, Prémio Camões 2010.

 

Esta exposição mostra duas das dimensões principais do Museu Nacional da Imprensa: a arqueologia tipográfica e a caricatura. Os desenhos, na sua grande maioria, fazem parte do Prémio Especial de Caricatura do XVII PortoCartoon-World Festival, organizado pelo MNI.

A mostra intitulada “Ronaldo em Caricatura” vai estar patente até ao dia 16 de abril no Aeroporto Internacional da Madeira – Cristiano Ronaldo.

O destaque dado pelo jornal “Estadão” pode ser visto aqui.

Protocolo em Brasília

O Museu Nacional da Imprensa e o Museu da Imprensa Nacional, de Brasília, estão unidos desde 3 de Dezembro, através de um protocolo assinado na capital brasileira.
Trata-se de um acordo de cooperação oficializado pelo director-geral da Imprensa Nacional, Fernando Tolentino de Souza Vieira e pelo presidente da Direcção da AMI e director do Museu Nacional da Imprensa, Luís Humberto Marcos.
O protocolo visa “a cooperação no desenvolvimento de iniciativas conjuntas para o reforço dos laços culturais entre o Brasil e Portugal, quer através da valorização do papel da imprensa e da sua história em geral, quer através do lastro da imprensa da Lusofonia”.
De acordo com a Cláusula nº 2, ambas as entidades “promoverão exposições temporárias, estudos, conferências e debates sobre temas relacionados com a Imprensa e as Artes Gráficas, de acordo com um plano periodicamente estabelecido e aceite por ambas as partes.Antes desta assinatura já tinha havido uma cooperação que deu lugar à reprodução de um prelo do Séc. XVIII que integra a exposição permanente do MNI e cuja réplica foi apresentada nas comemorações do bicentenário da imprensa brasileira, em Brasília.