NOTÍCIAS
_______________________________________________________________________________

O JARDIM DO PRÍNCIPE [Teatro e Marionetas] no MNI
O MNI recebe, de maio a setembro, mais um espetáculo da Imaginar do Gigante: “O Jardim do Príncipe”.

Trata-se de um teatro visual, que recorre a técnicas de manipulação com objetos e é construído a partir de materiais reciclados.

 

Sinopse: Os homens que são príncipes vivem em todos os lugares, estendem as suas casas nas ruas e nas praças, cobrem-se de folhas secas dos jornais velhos para dormir com a lua. E nunca acordam com o burburinho dos outros. São os únicos homens que bocejam de braços abertos e erguem no ar sons que tocam as estrelas…

Data: De maio a setembro de 2018

Local: Museu Nacional da Imprensa (Open Space)

Público: Para todos os públicos.

Preço: 5€ (Teatro) | 6,50€ (Teatro + visita guiada à exposição permanente “Memórias Vivas da Imprensa”)

Necessária marcação prévia.

Esperamos por vocês!

Manuela de Azevedo defendia a eutanásia – Texto inédito 1936

 

O Museu Nacional da Imprensa divulga um texto inédito em que a jornalista Manuela de Azevedo (1911-2017) defendia a eutanásia, há 82 anos.

Escrito em março de 1936, o artigo continua a ser atual em 2018, e vai ser tema de discussão na Assembleia da República a 29 de maio próximo.

Torna-se, por isso, oportuno conhecer e refletir sobre a posição da primeira mulher a ter carteira profissional de jornalista.

Manuela tinha 24 anos e vivia em Viseu quando enviou para o jornal República o artigo que os Serviços de Censura viriam a proibir.

“Matar por piedade”,  assim se denomina o texto censurado e oferecido pela jornalista ao MNI, muito antes de morrer (fevereiro de 2017), aos 105 anos.

O artigo desenvolve a argumentação em registo epistolar e fala na ‘morte libertadora’.

Manuela de Azevedo antecipou assim um debate que constitui, ainda hoje, assunto central nas grandes polémicas da atualidade.

Texto de contextualização Diretor MNI

 

Dia Internacional dos Museus no MNI | Atividades de 18 a 20 de maio
Celebração Dia Internacional dos Museu –18 a 20 de maio

Museu da Imprensa promove atividades para as famílias

O Museu Nacional da Imprensa (MNI) , vai assinalar o Dia Internacional dos Museus com várias atividades para as familias.
Durante os dias 18, 19 e 20 de maio o MNI promove oficinas e visitas guiadas sobre as diversas vertentes a explorar no Museu.

O dia 18/05 começa com uma abordagem didática ao cartoon e visita às exposições, passando pela descoberta dos tipos e tintas na mostra permanente “Memórias Vivas da Imprensa”.

No dia 19/05 os participantes terão oportunidade de conhecer a exposição “Mudanças Gráficas na Imprensa / Propostas de Jorge Gomes” com a orientação do tipógrafo e encadernador do MNI, Álvaro Pedreira, que conta com mais de 40 anos de experiência na área.

repensar1

As celebrações encerram no dia 20/05 com uma visita à mostra “(Re)pensar o Museu Nacional da Imprensa”. Trata-se de uma exposição que apresenta propostas de requalificação do MNI, dos alunos de 2º ano de Desenho Digital 3D da Escola Artística e Profissional Árvore.

Todas as atividades são gratuitas.

A programação completa pode ser consultada aqui.

MNI promove novo ciclo de Oficinas de Encadernação em junho
 

O próximo mês de junho arranca com um novo ciclo de Oficinas de Encadernação, no Museu Nacional da Imprensa (MNI), nos dias 2 e 9.

O MNI promove estas oficinas com o intuito de dar a conhecer as técnicas milenares de encadernação manual de livros . O objetivo é que os participantes consigam fabricar artesanalmente um livro, explorando formas e técnicas artísticas, ligadas à encadernação.

O dia 2 de junho começa com a Oficina de Costura à portuguesa (encadernação de capa mole) da parte de manhã (9h30 – 12h30) . A tarde será dedicada à Costura Francesa (14h30 – 17h30).

Já no dia 9/06, a proposta é uma Oficina de Encadernação em capa dura com tecido no período da manhã e com sintético da parte da tarde.

Álvaro Pedreira, tipógrafo e encadernador, é o responsável por ministrar estas sessões. O gosto e o trabalho na área começou em criança, altura em que se  apaixonou pelos segredos da Tipografia e da Encadernação. Álvaro trabalhou em várias casas de obra portuenses e no emblemático jornal O Comércio do Porto.

As inscrições para este novo ciclo de oficinas estão abertas e são limitadas a um número máximo de 12 pessoas por sessão.

Como é habitual, os participantes podem inscrever-se no ciclo completa (oficinas todas) ou apenas naquela(s) que pretenderem.

Mais informações aqui.

 

Gutenberg com Humor em Viana do Castelo

Cerca de 60 trabalhos sobre Gutenberg e a importância da imprensa vão estar expostos em dois núcleos distintos, no distrito de Viana do Castelo, a partir do dia 3 de maio.

A exposição do Museu Nacional da Imprensa é promovida pela empresa Blisq Creative, no âmbito da 4.ª edição do festival Hashtag Design.

A mostra de humor PortoCartoon representa uma homenagem a Gutenberg e ao Cartoon, onde é possível apreciar trabalhos de 27 países, designadamente: Alemanha, Argentina, Bélgica, Bielorrússia, Bósnia e Herzgovina, Brasil, China, Colômbia, Croácia, Cuba, Equador, Eslovénia, Espanha, Holanda, Inglaterra, Irão, Itália, Macedónia, México, Noruega, Polónia, Portugal, Roménia, Rússia, Sérvia, Turquia e Ucrânia.

“Gutenberg no Cartoon Internacional” vai dividir-se entre a Galeria Noroeste Viana do Castelo e a Galeria Noroeste Paredes de Coura, ficando patente até 14 de junho.

Cartoon de Piotr Kulinich (Rússia)

Entretanto, continua aberta ao público a mostra “Lápis Azul: a censura do Estado Novo” nos muros do Estabelecimento Prisional de Viana até 21 de maio. 16 desenhos da Galeria Virtual da Censura, escolhidos por reclusos, pretendem levar a discussão da liberdade para um local onde esta está condicionada.

Museu da Imprensa evoca a liberdade em três exposições
 Abril exposições mil  – Dentro e fora de portas

“25 de abril / 44 Capicua da Alegria”, “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” e “Lápis Azul: a censura do Estado Novo” são os nomes das exposições que o Museu Nacional da Imprensa (MNI) vai inaugurar até ao final do mês de abril

Todas as mostras estão relacionadas com a temática da liberdade, assinalando o mês das celebrações do 25 de abril de 1974.

Tendo em vista a política de “descentralização cultural”, defendida pelo MNI desde a sua abertura, as exposições vão estar colocadas em locais muito distintos: uma na sede do Museu Nacional da Imprensa, outra no Estabelecimento Prisional de Viana do Castelo e a restante no Fórum Cultural de Ermesinde.

Muros da Prisão de Viana mostram “LÁPIS AZUL”

O Estabelecimento Prisional de Viana do Castelo vai receber, a partir do dia 21 de abril, a exposição “Lápis Azul: a censura do Estado Novo”.

A mostra resulta de uma seleção de 16 imagens da Galeria Virtual da Censura, feita pelos reclusos do referido Estabelecimento Prisional. O objetivo é levar a discussão da liberdade para um local onde esta está condicionada.

Cartoon de SAM (Expresso)

A exposição do MNI é promovida pela empresa Blisq Creative, em parceria com a Câmara Municipal de Viana Castelo e a Fundação Caixa Agrícola do Noroeste, no âmbito do evento Hashtag Design 2018. A Hashtag, plataforma responsável pela organização do evento, dinamiza periodicamente eventos de impacto cívico e cultural.

“Lápis Azul: a censura do Estado Novo” vai estar patente até 21 de maio, na zona exterior do Estabelecimento Prisional de Viana do Castelo.

O programa da 4.ª edição do Hashtag Design 2018 contará, ainda, com a exposição do MNI “Gutenberg no Humor Internacional” a inaugurar no início do mês de maio, em dois núcleos distintos.

25 de abril / 44 Capicua da Alegria no MNI

O “Capitão de Abril” Pezarat Correia vai inaugurar, no dia 21 de abril, no MNI, a exposição que assinala os 44 da “revolução dos cravos”: “25 de abril / 44 Capicua da Alegria”.

Pezarat Correia é doutorado em Relações Internacionais pela Universidade de Coimbra, tendo defendido a sua tese “Descolonização: do protonacionalismo ao pós-colonialismo” em julho de 2017, aos 85 anos.

A exposição conta com cerca de uma centena de jornais, revistas (nacionais e estrangeiras), livros, discos, fotografias e cartazes, centrados no ambiente de euforia e alegria vivido nas ruas.

Muitas das imagens que estarão patentes na exposição nunca foram expostas, nas várias mostras que o MNI já fez evocativas do 25 de Abril de 1974.

A sessão inaugural, com início às 16h30, vai contar, ainda, com a leitura de poemas sobre o 25 de abril.

A exposição poderá ser vista até 30 de maio.

Liberdade, igualdade e fraternidade em Ermesinde

Cerca de 70 desenhos integrantes da mostra PortoCartoon “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” vão estar em exposição no Fórum Cultural de Ermesinde, a partir do dia 25 de abril.

A mostra do PortoCartoon, organizado pelo Museu Nacional da Imprensa, é promovida pela Câmara Municipal de Valongo.

Os trabalhos resultam do desafio lançado no XV PortoCartoon e refletem sobre os tempos difíceis e controversos que o mundo atravessa, estando ainda longe dos ideais da revolução francesa: “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”.

O destaque recai sobre as obras “Shipwreck” (‘Naufrágio’), de Miro Stefanovic (Sérvia), vencedor do Grande Prémio da 13.ª edição do festival; o trabalho “Atrapados” do mexicano Angel Boligan, que obteve o 2.º Prémio e, em 3.º lugar, “Libertea”, de Wilem Rasing (Holanda). Nesta exposição é ainda possível apreciar trabalhos de cartunistas de países como Bélgica, Inglaterra, Irão, Israel, Polónia, Portugal, Roménia, Sérvia e Turquia.

A abertura da mostra está marcada para o dia 25 de abril (4.ª feira), às 16h.

“Liberdade, Igualdade e Fraternidade” ficará patente até ao final do mês de maio, no Fórum Cultural de Ermesinde

Mudanças Gráficas na Imprensa | Guerra, censura e humor

Para além das novas “inaugurações de abril”, as exposições recentemente inauguradas, “Mudanças Gráficas na Imprensa” e “Guerra, Censura e Humor” encontram-se disponíveis para visita.

A primeira na sede do Museu Nacional da Imprensa até 30 de maio e a segunda no Palácio de D. Manuel, em Évora, até 12 de maio.

 

 

‘Capitão de Abril’ Pezarat Correia inaugura exposição no MNI

Cerca de uma centena de peças alusivas ao 25 de abril vão estar em exposição no Museu Nacional da Imprensa (MNI), a partir do dia 21 de abril.

A inauguração da exposição contará com a presença do General Pedro Pezarat Correia, Capitão de Abril.

Pezarat Correia é doutorado em Relações Internacionais pela Universidade de Coimbra, tendo defendido a sua tese “Descolonização: do protonacionalismo ao pós-colonialismo” em julho de 2017, aos 85 anos.

A mostra “25 de abril / 44 Capicua da Alegria” é composta por jornais, revistas (nacionais e estrangeiras), livros, discos, fotografias e cartazes, centrados na euforia da ‘revolução dos cravos’.

Na sua larga maioria, as obras expressam o ambiente de alegria que se viveu nas ruas, após o derrube da ditadura de 48 anos.

Muitas das imagens que estarão patentes na exposição nunca foram expostas, nas várias mostras que o MNI já fez evocativas do 25 de Abril de 1974.

Desta forma, o Museu pretende assinalar os 44 anos de uma revolução que os militares do Movimento das Forças Armadas (MFA) desencadearam, restituindo a liberdade ao povo português.

A abertura da mostra terá lugar no dia 21 de abril (sábado), às 16h30.

Cartaz de Vieira da Silva

Artista croata vence 20.º PortoCartoon

1.º Premio: Nikola Listes (Croácia)

O artista croata Nikola Listes conquistou o Grande Prémio do 20º PortoCartoon-World Festival, organizado pelo Museu Nacional da Imprensa e subordinado ao tema LIMPAR O PLANETA. A obra vencedora intitula-se “Clean Fishermens”.

2.º Prémio: Agim Sulaj (Itália)

O Segundo Prémio foi atribuído a Agim Sulaj, de Itália, com a obra “Plastica” e o Terceiro Prémio (ex-aequo) a Cau Gomez, do Brasil com a obra “Varrendo a intolerância” e a Mahboobeh Pakdel, do Irão. O jornalista brasileiro e a artista iraniana já foram vencedores do Grande Prémio em edição anteriores.

3.º Prémio ex-aequo: CauGomez (Brasil)

3.º Premio ex-aequo: MahboobehPakdel (Irão)

Esta 20.ª edição do PortoCartoon registou a maior participação de sempre em termos de desenhos.

A edição deste ano contemplou dois Prémios Especiais de Caricatura centrados em duas grandes figuras de relevo mundial: Amália Rodrigues (1920-199) e Woody Allen (1935-). Os vencedores foram, respetivamente, António Santos – Santiagu e Pedro Silva, ambos artistas portugueses. Santiagu já tinha arrecadado o 1.º lugar no Prémio Especial de Caricatura dedicado a António Guterres, no PortoCartoon 2017, repetindo o feito este ano com a sua interpretação da fadista Amália Rodrigues.

1.º lugar PEC Amália: SANTIAGU (Portugal)

Trata-se da primeira vez que dois artistas portugueses conquistam o 1º lugar nos Prémios Especiais de Caricatura do PortoCartoon, iniciados em 2013. Nesta mesma categoria, o 3º lugar foi atribuído ao trabalho dos portugueses Aurélio Mesquita, no Prémio Amália, e Pedro Ribeiro Ferreira no Prémio Woody.

1.º lugar PEC Woody Allen: Pedro Silva  (Portugal)

O veterano do humor brasileiro Paulo Caruso levou o 2.º lugar no Prémio Especial de Caricatura sobre Woody Allen. O espanhol Matias Montedoro conquistou o 2.º lugar no PEC Amália.

2.º lugar PEC Woody Allen: Paulo Caruso (Brasil)

2.º lugar PEC Woody Allen: Matias Montedoro (Espanha)

O júri internacional atribuiu, ainda, mais de 20 Menções Honrosas a artistas de países muito diferentes.

Em apreciação estiveram cerca de 2500 obras, de 550 artistas, oriundos de cerca de 80 países distintos.

Irão, Turquia, Brasil e Roménia foram os países com maior participação, seguidos de Portugal, na 5.ª posição.

Neste 20.º aniversário o PortoCartoon volta a reforçar o seu lugar no pódio dos certames internacionais de desenho de humor e mostra a pertinência da classificação do Porto com o ‘Capital do Cartoon’, atribuída em 2008.

O Júri internacional do 20º PortoCartoon teve como Presidente Honorário Georges Wolinski – cartunista do Charlie Hebdo assassinado em 2015, em Paris, e que durante uma década tinha sido presidente do Júri. Integraram o Júri 2018: Bernard Bouton (presidente da FECO), Francisco Ferreira (Presidente da Associação Zero), Luiz Humberto Marcos (diretor do Museu Nacional da Imprensa), Roberto Merino (encenador), Xaquín Marín (fundador do Museo de Humor de Fene, Espanha) e António Campos (representante da Fundação Amália Rodrigues).

Os vencedores do 20º PortoCartoon receberão os troféus (desenhados por Siza Vieira) e os Prémios durante a cerimónia de abertura da exposição, que decorrerá nas instalações do Museu Nacional da Imprensa e noutros locais do Grande Porto, em junho, como é habitual.

3.º lugar PEC Amália: Aurélio Mesquita (Portugal)

3.º lugar PEC Woody Allen : Pedro Ribeiro Ferreira (Portugal)

I Grande Guerra retratada com censura e humor em Évora
Exposição Museu da Imprensa em Évora

Cerca de uma centena de registos da I Guerra Mundial (1914-1918), centrados na censura e no humor, vai estar em exposição no Palácio de D. Manuel, em Évora, a partir do dia 12 de abril.

A exposição do Museu Nacional da Imprensa, intitulada “Guerra, Censura e Humor”, é promovida pela Câmara Municipal de Évora.

A mostra, evocativa do centenário da Grande Guerra, é composta por jornais, revistas, livros, correspondência censurada e desenhos humorísticos da imprensa portuguesa e estrangeira.

Em várias publicações é possível verem-se os espaços em branco, resultante da ação dos censores. A comissão de censura tinha ordens para não substituir o texto censurado, por isso, algumas páginas apresentam mais espaço em branco do que impresso.

No campo do humor, destacam-se os trabalhos de Leal da Câmara e os 40 desenhos do artista holandês Raemaekers (1869-1956) famoso pelos seus cartoons políticos antigermânicos.

Comissariada pelo diretor do Museu, Luiz Humberto Marcos, a exposição poderá ser vista até 12 de maio, no Palácio de D. Manuel (Évora).

 

PORTOCARTOON: Artista brasileiro vence Prémio do Público pela terceira vez
Ronaldo Cunha Dias (Brasil) é o grande vencedor do Prémio Público do PortoCartoon 2017, com a sua obra que mereceu uma Menção Honrosa pelo júri internacional do festival.

Esta é a terceira vez que o cartunista brasileiro vence nesta categoria, depois de ter sido preferido pelo público votante em 2007 e em 2011.

O Prémio Público do PortoCartoon resulta de uma votação a nível mundial, feita através do Museu Virtual do Cartoon (www.cartoonvirtualmuseum.org) e em urnas de voto colocadas no Museu Nacional da Imprensa e no Aeroporto do Porto, de junho a dezembro. Qualquer pessoa, de distintas partes do mudo, teve oportunidade de votar no seu cartoon favorito dentre os 43 selecionados pelo Júri internacional do 19th PortoCartoon-World Festival, em março de 2017.

Ronaldo é um cartunista bastante premiado e concorre, há vários anos, aos prémios do PortoCartoon. Profissionalmente é médico (cirurgião) e reside na cidade de Vacaria, situada no nordeste do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil.

A votação, independente da decisão do Júri, que elegeu o belga Luc Vernimmen como grande vencedor do PortoCartoon 2017, com a obra “Sustainable Tourism”, deu a vitória, uma vez mais, a Ronaldo Cunha Dias. A opinião do Júri e do Público coincidiu apenas uma vez, em 2015, com o desenho vencedor de Alessandro Gatto (Itália), “Window”, sobre o tema da 17.ª edição, “A LUZ”.

Desenho vencedor Prémio Público PC 17

Nesta categoria já foram também contemplados, para além de Ronaldo, desde 2006, Diego Herrera – Yayo (Canadá), Fernando Camarneiro Costa (Portugal), António Santos – Santiagu (Portugal), Zygmunt Zaradkiewicz (Polónia), Guo Zhong (China), Ludo Goderis (Bélgica) e Emrah Arikan (Turquia).

Os cartoons que estiveram em disputa são provenientes de países tão diferentes como Bélgica, Bielorrússia, Brasil, Bulgária, China, Espanha, E.U.A., França, Indonésia, Irão, Itália, México, Polónia, Roménia, Sérvia, Turquia e Ucrânia. De Portugal, estiveram em votação os trabalhos dos cartoonistas Aurélio Mesquita, Duarte Guerreiro, Fernando Saraiva e Vasco Gargalo.

Ronaldo Cunha Dias será convidado a participar no PortoCartoon 2018 com uma exposição de autor.

Protocolo em Brasília

O Museu Nacional da Imprensa e o Museu da Imprensa Nacional, de Brasília, estão unidos desde 3 de Dezembro, através de um protocolo assinado na capital brasileira.
Trata-se de um acordo de cooperação oficializado pelo director-geral da Imprensa Nacional, Fernando Tolentino de Souza Vieira e pelo presidente da Direcção da AMI e director do Museu Nacional da Imprensa, Luís Humberto Marcos.
O protocolo visa “a cooperação no desenvolvimento de iniciativas conjuntas para o reforço dos laços culturais entre o Brasil e Portugal, quer através da valorização do papel da imprensa e da sua história em geral, quer através do lastro da imprensa da Lusofonia”.
De acordo com a Cláusula nº 2, ambas as entidades “promoverão exposições temporárias, estudos, conferências e debates sobre temas relacionados com a Imprensa e as Artes Gráficas, de acordo com um plano periodicamente estabelecido e aceite por ambas as partes.Antes desta assinatura já tinha havido uma cooperação que deu lugar à reprodução de um prelo do Séc. XVIII que integra a exposição permanente do MNI e cuja réplica foi apresentada nas comemorações do bicentenário da imprensa brasileira, em Brasília.